banner desktop banner mobile

Como lidar com a ansiedade estando na linha de frente da saúde

Como lidar com a ansiedade estando na linha de frente da saúde

Primeiramente, os profissionais da saúde formam a primeira linha de combate em meio a luta contra as mais diversas doenças, esse trabalho  inquestionavelmente lindo e de suma importância para nossa sociedade tem um outro lado da moeda, a ansiedade na medicina e demais áreas de saúde.

Conforme já sabemos, todos nós passamos por alguns momentos de ansiedade em nossas vidas, isso é perfeitamente normal.

Podemos nos sentir ansiosos diante de determinadas situações, como por exemplo falar em público, ao participar de uma entrevista de emprego, vésperas de provas importantes, entre tantas outras infinitas situações cotidianas que podem nos gerar ansiedade. 

Entretanto, para algumas pessoas esse sentimento é muito mais intenso e frequente, o que as prejudica no seu dia a dia, e esse sentimento é compartilhado por grande parte dos profissionais da área da saúde. 

Dessa forma, continue lendo para entender mais sobre ansiedade na medicina, em seguida, como ela afeta se desempenho nos estudos e por fim, dicas e técnicas para controla-lá. 

Ansiedade na medicina: O que é a ansiedade?

A ansiedade pode ser definida como um sentimento vago e desagradável de medo, apreensão, caracterizado por tensão ou desconforto derivado de antecipação de perigo, de algo desconhecido ou estranho. 

Um detalhe importante é que a ansiedade é uma resposta emocional ao medo, o medo de forma simples.

Aquele mesmo medo que sentimos ao assistir um filme de terror, por exemplo, é uma sensação momentânea que ocorre quando identificamos o perigo.

Já a ansiedade, ela atua de forma diferente, é um constante medo em relação ao futuro, receio de algo que o indivíduo nem sabe se vai acontecer. 

Esse sentimento de antecipação de alguma ameaça futura, gera uma mudança no comportamento de quem a sente, pois passamos a agir com mais cuidado, na tentativa de fugir da sensação desagradável da ansiedade. 

Quando esse estado emocional passa a ser mais frequente, persiste por mais tempo, 6 meses ou mais, ela passa a ser diagnosticada como transtorno de ansiedade.

A ansiedade é uma vilã?

A ansiedade é uma reação natural do nosso corpo ao estresse, esse estado é marcado por sensações e sentimentos de tensão, preocupação e pensamentos ruins, mas nem sempre a ansiedade é uma doença. 

Contudo, a ansiedade, em níveis altos, coloca o ser humano em uma constante situação debilitante, é extremamente prejudicial.

Em contrapartida, quando estamos em estado normal e saudável de ansiedade, ela deixa de ser um sabotador e passa a ser uma motivação em qualquer outra área que desejamos atingir um objetivo. 

Imagine, por exemplo, a ansiedade para realizar uma prova, ou para participar de uma competição esportiva.

A ansiedade nesses casos vai atuar de forma que o indivíduo se prepare para essas situações, fazendo com que ele tenha um bom desempenho.

Se tivermos um baixo nível de ansiedade nesses casos, vamos acabar negligenciando nossa preparação, e assim não vamos atingir bons resultados. 

Em resumo então, a ansiedade em si não é ruim, pois um grau controlado de ansiedade pode nos servir como um alerta, estamos em prontidão para lidar com desafios que podem aparecer, o que a torna prejudicial e alarmante é o seu excesso.

O que caracteriza um transtorno de ansiedade?

O transtorno de ansiedade, é uma doença patológica, causada pelo excesso de ansiedade e medo, esses sentimentos são normais e presentes em todo ser humano.

Entretanto, o que faz esses sentimentos deixarem de ser normais e passarem a ser diagnosticados como um transtorno psicológico é a frequência e intensidade com que eles ocorrem, pois passam a interferir no dia a dia da pessoa, em seu comportamento. 

Esse transtorno mental e psicológico, faz com que o indivíduo fique preso em pensamentos negativos, o que desencadeia uma série de sintomas fisiológicos e emocionais que prejudicam a vida do mesmo como um todo. 

Além disso, o transtorno de ansiedade pode até aumentar as chances de o indivíduo ter doenças cardiovasculares, obesidade e diabetes, ganho de peso, aumento da pressão arterial. 

Os sintomas físicos causados pela ansiedade variam de pessoa para pessoa, assim como seu grau, de acordo com o estado emocional que cada um se encontra.

Esses sintomas são tão intensos que muitas vezes são associados a outros problemas de saúde, como de coração por exemplo, o que leva as pessoas a irem buscar ajuda de médica de outra especialidade, e se assustam ao descobrir qual a real causa dos seus sintomas. 

É muito comum que as pessoas associam a ansiedade apenas à preocupação e inquietação, mas ela interfere na vida do indivíduo de uma forma muito mais ampla e impactante, muitas vezes até paralisante.

Pois quem sofre desse transtorno, tem seu cotidiano afetado por ela, além da influência dela em sua saúde emocional, física e psicológica. 

Dependendo da frequência e intensidade dos sintomas, a ansiedade pode se tornar uma patologia de diversas maneiras, como os transtornos:
  • Depressivo 
  • De personalidade 
  • Ansiedade generalizada 
  • Transtornos mentais
  • Transt. alimentar
  • Pânico
  • TOC – transtorno obsessivo compulsivo

Ansiedade na medicina: Quais são as causas?

Ansiedade é o transtorno mais comum, mas assim como os demais transtornos mentais e psicológicos, é difícil identificar sua fonte, pois geralmente são formadas pela combinação de vários fatores. 

Mesmo assim, alguns fatores são especulados e apontados como pivô por desencadear a ansiedade, tais como:

  • Predisposição genética
  • Fatores ambientais
  • Pressão no trabalho
  • Problemas familiares
  • Cobrança interna e externa nos estudos

Que acabam gerando uma preocupação constante, e se não cuidada pode deixar de ser uma ansiedade comum, natural, e saudável, e evoluindo para um quadro mais grave de ansiedade, que pode se transformar no transtorno de ansiedade. 

O transtorno de ansiedade pode ser causado por uma grande onda de estresse, sendo uma resposta em forma de sintomas como:

  • Sudorese
  • Medo
  • Aumento da frequência cardíaca
  • Tremores

Podendo levar o indivíduo a ter uma paralisia diante de situações intensas ou desconfortáveis para ela, como por exemplo falar em público, algumas pessoas se sentem quase em pânico por falar diante de um pequeno grupo, por isso evitam ao máximo tal prática. 

Agora, na área médica, esses profissionais estão constantemente lidando com o que acabamos de citar, visto que lidam diariamente com altos níveis de pressão, longas jornadas de plantões.

Contudo, alguns fatores clínicos também podem causar ansiedade, tais como: 
  • Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE)
  • Doenças cardíacas
  • Hipotireoidismo e hipertireoidismo
  • Menopausa
Medicamentos e drogas que podem causar ansiedade: 
  • Álcool
  • Estimulantes (por exemplo, anfetaminas)
  • Cafeína
  • Cocaína
  • Medicamento com corticosteroides
  • Produtos fitoterápicos para emagrecer à base de guaraná ou cafeína 

É comprovado também que a abstinência de álcool ou sedativos, como benzodiazepina, que é usada para tratar transtornos de ansiedade, pode causar outros sintomas além da ansiedade, como insônia e inquietação. 

Quais são os sintomas da ansiedade? 

A ansiedade pode apresentar vários sintomas, tanto emocionais como também físicos, alguns deles são: 

Sintomas emocionais: 
  • Angústia 
  • Nervosismo 
  • Falta de esperança 
  • Sensação vaga de perigo iminente
  • Medo sem explicação 
  • Irritabilidade
Sintomas físicos: 
  • Palpitações 
  • Aumento da frequência cardíaca
  • Transpiração
  • Sensação de asfixia 
  • Respiração rápida 
  • Tonturas 
  • Tremores
  • Náuseas 
  • Perda da voz
  • Desmaio
  • Tensão muscular 
  • Dor de cabeça
  • Insônia
Sintomas comportamentais:
  • Impulsividade
  • Agressividade
  • Fala acelerada
Sintomas cognitivos:
  • Dificuldade de concentração 
  • Dificuldade na tomada de decisão
  • Preocupações excessivas

A preocupação é um sentimento muito presente, e conforme os sintomas físicos vão aumentando, o psicológico entra em estado de alerta e tensão, é nesse momento que o fluxo de pensamentos é bem maior e a maioria desses pensamentos são negativos.

Por conta dos muitos sintomas físicos que a ansiedade traz, eles são associados a outras causas clínicas, como por exemplo, a angústia e dor no peito, ela pode ser causada pela ansiedade.

Mas também pode indicar uma  doença cardíaca, por isso o indivíduo deve buscar ajuda médica ao sentir esses sintomas para identificar sua fonte por meio de um eletrocardiograma ou peak flow (medição do sopro) caso seja suspeita de um distúrbio respiratório, e encaminhará o paciente para o especialista. 

Se a origem for psíquica, o médico irá fazer perguntas para verificar o histórico do paciente, para identificar as causas da angústia, tomando como base os seguintes critérios:
  • Ansiedade ou preocupação excessiva, durante a maioria dos dias por pelo menos 6 meses, em relação a atividades e/ou eventos.
  • A preocupação é difícil de controlar e bastante abrangente
  • Associação com pelo menos 3 dos sintomas a seguir (estes sintomas devem estar presentes na maioria dos dias dos últimos 6 meses): inquietude, facilmente fadigado, dificuldade de concentração ou problemas de memória, irritabilidade, tensão muscular e distúrbios no sono.
  • A ansiedade, preocupação ou sintomas físicos causam sofrimento ou comprometimento em áreas funcionais importantes (social, ocupacional), clinicamente significantes.

A ansiedade pode levar a pessoa a um quadro de depressão, que também apresenta crises de angústia como sintomas. 

Pessoas nesse quadro podem buscar um alívio ilusório em substâncias como álcool, tabaco, entorpecentes, medicamentos, mas tais substâncias têm um efeito escasso.

Então essas pessoas se tornam dependentes de tais substâncias e acabar em um quadro de dependência, que amplifica ainda mais a ansiedade. 

Ansiedade na medicina: Quais são os grupos mais afetados?

Não existe um perfil exato que sirva para identificarmos uma pessoa que sofre do transtorno de ansiedade, afinal, os sintomas são muito abrangentes e facilmente confundidos com outros problemas clínicos, mas algumas pesquisas apontam que existem grupos alvos desse transtorno. 

As pessoas mais propícias a sofrer do transtorno de ansiedade são:
  • As que passaram por choques intensos: acidentes, conflito, decepções
  • Mulheres, elas têm uma tendência maior que os homens de desenvolver transtornos de ansiedade, depressão ou alimentares. 
  • As que convivem com alguém que já sofre desse transtorno.
  • As que tem um histórico de abuso, seja físico ou emocional, durante a infância.
  • Pessoas depressivas, neuróticas ou que sofrem de doenças como a esquizofrenia.
  • As que sofrem de doenças cardiovasculares, tendo ou não sofrido um infarto.
  • Pessoas com sistema respiratório frágil, asmáticos. 
  • Quem abusa de medicamentos como: anfetaminas, barbitúricos, ansiolíticos.
  • As que consomem uma grande quantidade de álcool ou drogas.
  • Pessoas que enfrentam frequentemente situações estressantes em sua vida diária,  estudos, trabalho, vida privada.
  • Estudantes de medicina, sim, esse grupo bem específico de pessoas apresentam altos níveis de ansiedade, estresse e depressão, principalmente durante o preparo para entrar na residência médica. 

Ansiedade em estudantes de medicina

Os estudantes, de uma maneira geral, são alvos do transtorno de ansiedade, uma estimativa aponta que entre 15% a 25% dos estudantes em fase universitária, apresenta algum transtorno psiquiátrico durante esse período de formação, os mais comuns são depressão e ansiedade. 

Esse quadro se intensifica quando falamos de estudantes de medicina, e alguns estudos apontam esse resultado alarmante:
Estudo feito em Dubai com estudantes de medicina:
Ansiedade 28,7%
Depressão 28,6%
Estudo feito em Estônia com estudantes de medicina:
Ansiedade 21,9%
Depressão 30,6%
Estudo feito em São Paulo com estudantes de medicina:
Depressão 38,2%

Indo mais a fundo nesses estudos, podemos identificar quais os fatores que influenciam a prevalência de transtornos como ansiedade e depressão em estudantes de medicina, alguns fatores são:

  • Elevada carga horária
  • Grande volume de matérias
  • Contato frequente com pacientes portadores das mais diversas doenças e prognósticos 
  • Insegurança em relação ao ingresso no mercado de trabalho
  • Cobrança da sociedade e da instituição de ensino, além da autocobrança típica deste curso.

Apesar da prevalência de transtornos como ansiedade e depressão em estudantes de medicina, devido a rotina desgastante que levam, principalmente na fase de entrar na residência médica, existe também uma resistência da parte deles em buscar ajuda médica para esses problemas. 

Os mesmos estudos apontam que mesmo sofrendo com esses transtornos, apenas de 8% a 15% desses estudantes buscam ajuda psiquiátrica durante sua formação acadêmica. 

Um estudo da universidade da Pennsylvania, aponta que dos 24% dos estudantes que assumiram ter problemas depressivos, apenas 22% foram atrás de uma ajuda médica, e as justificativas mais comuns são: 

  • Falta de tempo
  • Estigma associado à utilização de serviços de saúde mental
  • Custos e medo das consequências em nível curricular

Leia também: A depressão na área médica


Ansiedade na medicina: Seu desempenho acadêmico é prejudicado

Já é reconhecido que pessoas com ansiedade e depressão tem seu desempenho prejudicado, enfrentando uma redução do rendimento e aprendizagem.

Isso prejudica até mesmo suas tarefas cotidianas, e esse quadro é ainda mais grave quando falamos de estudantes de medicina, mas de que forma isso acontece?

Como o cérebro do ansioso trabalha?

Ele está frequentemente concentrado em outro ponto, o cérebro ansioso procura incansavelmente por prováveis ameaças, sua atenção é totalmente focada nisso.

Por decorrência da baixa autoestima e insegurança, seu desempenho acadêmico cai, e a pessoa ansiosa entra em uma onda de estresse que pode levar à depressão. 

Quando essa preocupação excessiva não é tratada, ela passa a afetar a capacidade de atenção, interpretação, concentração e a memória de quem sofre desse transtorno.

Dificultando assim o aprendizado e a retenção das informações, dessa forma a pessoa ansiosa pensa e trabalha com menos eficiência. 

A onda de angústia e preocupação, interferem diretamente no desempenho da pessoa ansiosa, isso causa a sensação de incapacidade que toma conta dela. 

O estresse aparece exatamente nesse momento, liberando altos níveis de cortisol, que afetam o hipocampo, região onde nossas lembranças e conhecimentos são armazenados, isso prejudica a memória. 

Então o ciclo funciona da seguinte maneira, a ansiedade dificulta a concentração, que atrapalha a memorização.

Além de prejudicar a absorção de conteúdos novos, a pessoa ansiosa passa também a esquecer as mais simples, como nome de pessoas que conhece, telefone, onde deixou determinada coisa, e se distrai com maior facilidade, por isso se confunde frequentemente. 


Leia também: Porque é tão difícil sentar para estudar?


Ansiedade X Memória

Muitas são as causas da perda de memória, mas a ansiedade é a principal delas, principalmente em jovens na fase de graduação, pois a onda de estresse ativa muitas regiões do cérebro.

Causando confusão mental e dificuldade de executar tarefas simples, como se lembrar de algo, e essa situação piora cada vez mais, conforme você convive com a ansiedade. 

Mas qual a ligação entre ansiedade e perda de memória? 

A memória é algo realmente frágil, ela depende de fatores como sono e boa nutrição para ser criada,  se por exemplo, a ansiedade não te deixa dormir, sua memória começa a ficar prejudicada. 

Além disso, a ansiedade mexe com o cérebro de uma forma, que influencia nossa forma de pensar, fazendo com que nossos pensamentos sejam todos relacionados com problemas, o que aumenta ainda mais o esquecimento. 

Mas outros fatores também influenciam nos problemas com a memória, como:

Hormônio do estresse:

O cortisol, hormônio que nosso corpo libera durante o estresse, é muito conhecido por impedir a formação de memórias novas, além de causar perda de memória. 

Pessoas ansiosas liberam doses altas diariamente de cortisol, o que intensifica a perda de memória. 

Distrações:

A ansiedade sobrecarrega o cérebro com um turbilhão de informações a todo instante, dessa forma é impossível que o cérebro ansioso consiga reter alguma informação, além de causar uma enorme exaustão mental.

Afinal, o cérebro ansioso trabalha em uma velocidade muito maior que o cérebro de alguém que não sofre de ansiedade. 

Falta de foco:

A falta de foco causada pelo rápido fluxo de informações, faz com que a pessoa ansiosa fique quase sempre “fora de órbita”.

Essa falta de foco, dificulta a absorção das informações, e por sua vez, atrapalha o processo de transformar informações em memórias. 

Simples esquecimento:

Pessoas em quadros de ansiedade, tendem enxergar as coisas maiores do que realmente são, muitas vezes esse esquecimento não é nada além de esquecimento, da forma mais simples, sem nenhum motivo por trás disso. 


Leia também: Como não ter branco na hora da prova? e Como ter foco nos estudos


Ansiedade na medicina e o desempenho acadêmico

Quando a memória é afetada, a pessoa passa a ter dificuldade no aprendizado, ela não consegue reter as coisas com facilidade, isso prejudica diretamente os estudos.

E gera ainda mais ansiedade e baixo comprometimento com os estudos, já que ele se encontra frequentemente em um quadro de sobrecarga do conteúdo, sua autoestima é afetada e seu desempenho despenca.

Essas séries de eventos causam a ansiedade de desempenho, ela tem como característica a perda das expectativas e um aumento nos pensamentos negativos.

O que causa grande dificuldade na hora de absorver o conteúdo, mesmo estudando muito. Isso causa uma onda de insegurança sobre o conteúdo e sobre sua performance nas provas. 

Essa incerteza em relação a sua preparação é equivalente a importância da prova.

Tudo isso é causado pela ansiedade desenfreada, e quanto mais cedo ela é diagnosticada mais rápido será possível tratá-la e impedir que o comprometimento com a vida acadêmica seja reduzido.

Pois há um claro aumento da sensação de sobrecarga de conteúdo, e sua autoestima diminui fazendo com que seu rendimento caia drasticamente. 

Esse fator é tão importante que tem influência direta no período de formação do estudante, impactando negativamente na sua formação como profissional.

Causando assim, problemas de aprendizado, e de sua experiência no contexto médico, o que desencadeia o abandono do curso por muitos alunos. 

A presença desses transtornos é muito comum principalmente no período de graduação, e quando não são tratados, eles se agravam durante a residência  médica, devido a rotina que esses médicos levam.


Leia também: Descubra como lidar com o estresse para as provas de residência médica


Lidando com a ansiedade durante os estudos

Ansiedade e estresse nos estudos é o problema principal de todos os estudantes, e evitá-los é praticamente impossível, mas eles podem ser controlados.

Por conseguinte, quando se tem controle sobre eles, você consegue evitar um vilão ainda maior que a ansiedade e o estresse, esse vilão é o esgotamento mental. 

O esgotamento mental vem do acúmulo de ansiedade e estresse, esse estado faz com que você se sinta um cansaço absurdo o tempo todo, e isso resulta na queda de desempenho nos estudos.

Mas como você pode evitar atingir esse estado de esgotamento mental? 

Identifique seus erros na luta contra a ansiedade na medicina

Falta de planejamento: 

O maior problema que todos os estudantes enfrentam é a falta de planejamento, eles se deparam com a grande quantidade de conteúdo que precisam estudar, mas não fazem a menor ideia de por onde devem começar, você se identifica com isso? 

O planejamento é essencial para sua alta performance nos estudos, e por ser tão importante assim, ele deve ser único, individual, cada um tem sua forma atingir resultados, e por isso cada um tem seu planejamento. 

Pense no planejamento como uma  roupa feita sob medida, se você pegar uma roupa com as medidas de outra pessoa, não vai te servir, por mais parecidas que elas sejam com as suas, pois ela foi feita para se adequar aquela pessoa, não a você, por isso você ter seu planejamento personalizado de estudos. 


Leia também: Como Fazer um Planejamento de Estudos para Residência Médica


Reclamar das matérias:

Sabemos como é difícil gostar de algumas matérias e nesse momento o comportamento mais comum é odiar a matéria. 

Quando você vê no seu planejamento que chegou a vez de estudar aquela matéria chata, você já começa a reclamar e essa atitude tão comum, é um gatilho de bloqueio no seu cérebro.

Dessa forma ele simplesmente vai se negar a absorver aquele conteúdo, você não vai conseguir aprender, e seu desgosto pela matéria só vai aumentar. 


Leia também: Motivação para estudar para Residência Médica


Ignorar as dúvidas:

Existe uma situação mais frustrante que o momento em que você acaba de estudar e percebe que não entendeu nada? Você se dedicou, mas não conseguiu absorver tudo, nesse momento o que você faz? 

A) Anotar suas dúvidas e procura a resposta para elas. 

B) Deixa para lá, depois você estuda de novo. 

Quando você deixa suas dúvidas para depois, na verdade só vai estar procrastinando e enrolando, e no final, não vai ir atrás de resolvê-la, então quando aparecer uma dúvida, corra para decifrá-la, pesquise, pergunte, não se contente com a dúvida. 


Leia também: Saiba quais são os erros ao estudar para a prova de residência


Não cuidar da memória:

Você pode até ter um planejamento personalizado, não se contentar com as dúvidas, mas não pode deixar de exercitar sua memória. 

A memória é um dos fatores mais importantes na hora da preparação do estudante, ela é crucial para absorver o conteúdo e colocá-lo em prática. 

Seu maior erro será julgar sua memória tão boa, que não acha que ela precisa ser treinada. 


Leia também: Como Lembrar Tudo que Estudou para Residência Médica


Não evoluir como estudante:

Pare por um minuto e responda a seguinte pergunta:

Você evoluiu como estudante, ou está preso aos métodos que usava ainda quando era um estudante de fundamental ou colegial? 

Se prestarmos atenção nos estudantes, todos eles insistem em usar os métodos que aprenderam ainda quando estavam no fundamental ou então no colegial, mas o tempo passou e os métodos mudaram, assim como as necessidades desses alunos. 

Atualmente os estudantes têm um acesso muito maior do que tinham antes, e precisam usar isso a seu favor, para evoluírem como estudantes e atingirem a alta performance nos estudos.  


Leia também: 7 conselhos para estudantes de medicina


Estar preso aos seus sabotadores:

Quando você está estudando, realmente dedica esse tempo exclusivamente para estudar, ou você deixa que outras coisas tomem conta desse tempo? 

Somos cercados de sabotadores, e cada um tem os seus, então pare e pense: 

Será que você não consegue se livrar dos seus sabotadores? Isso pode acontecer da seguinte forma:
  • Barulho: você não consegue se concentrar em um lugar com muito barulho, mesmo assim insiste em tentar ao invés de buscar um lugar silencioso para estudar. 
  • Redes sociais: você tem o impulso de checar as redes sociais a cada 5 minutos, e mesmo sabendo disso, insiste em manter o celular ao seu lado enquanto estuda.
  • Preguiça: você sabe que se enrolar 5 minutinhos para levantar da cama de manhã esses 5 minutinhos vão se estendendo e no final você vai acabar atrasado, a mesma lógica vale para a preguiça na hora de começar a estudar. 
  • Autocrítica: você procura tantos defeitos em si mesmo, na circunstância em que se encontra, e faz isso o tempo todo, esses pensamentos negativos provocam ansiedade, estresse, raiva, decepção, vergonha e culpa, eles só vão te paralisar, por isso evite esses pensamentos a todo custo. 
  • Perfeccionismo: talvez seja o maior dos sabotadores, se você buscar a perfeição a todo instante, não vai sair do lugar, isso só gerará uma onda de estresse e frustração. 
  • Entretenimento:  Tv, séries, músicas, shows, apesar de serem fundamentais para nos distrair e relaxar, eles devem ser usados com moderação, pois não devem tomar mais do nosso tempo do que o necessário, então cuidado para não deixar que o tempo gasto com eles seja maior do que o seu tempo estudando. 

Leia também: Quais são seus sabotadores de estudos?


Ansiedade na medicina: Melhore sua memória 

A memória é uma capacidade fundamental para todo ser humano, pois é a responsável por reter informações para usá-las depois, por isso ela deve ser exercitada, para que quando precisarmos, não nos de aquele famoso “branco”.

E existem algumas formas bem simples de melhorar nossa memória diariamente para nos ajudar a combater o tão temido “branco”. 

Exercício físico:

Todos nós já ouvimos aquele ditado “corpo são, mente sã” e esse ditado é real, estudos comprovam que a atividade física é essencial para que o cérebro funcione bem, e consiga reter as informações. 

Mas que ligação existe entre nosso corpo e nossa mente? 

Os exercícios melhoram a função cardiovascular,  aumentam o fluxo sanguíneo do cérebro, promovem crescimento dos neurônios e aumentam as conexões da região do hipocampo, responsável pela memória. 

Fazer associações:

“Nosso cérebro lida melhor com imagens do que com informações abstratas”

Sendo assim, é muito mais fácil lembrarmos algo quando associamos ele a algo visual, essa técnica é muito usada para memorizar cartas em truques de mágica.

Para decorar a ordem das cartas de um baralho, por exemplo, quem está fazendo o truque relaciona cada uma delas a alguém ou algo, criando uma história onde todos são importantes, criando assim um conexão entre a informação e as imagens. 

Exercícios mentais:

Os exercícios mentais são tão importantes quanto os exercícios físicos, exercitando nossa mente vamos mantê-la ativa e saudável.

Esses exercícios podem ser feitos de várias formas, aprendendo um novo idioma, memorizando a ordem de cartas, fazendo palavras-cruzadas, o importante é não deixar de exercitar. 

Alimentos certos:

Uma boa alimentação faz bem tanto para o corpo quanto para o cérebro, uma ótima opção de cardápio inclui muitos vegetais, alimentos ricos em ômega 3 e ômega 6 (atum, salmão e arenque), vitamina E (óleos vegetais e sementes) e ácido fólico (feijão e fígado). 

Nessa “dieta” é importante reduzir ao máximo o consumo de ingredientes industrializados, como doces, sódio em excesso e gordurosos, consumindo mais peixe, frutas, verduras, legumes, grãos integrais, gorduras boas (não saturadas) e é indicado até uma taça de vinho por dia.


Leia também: Dicas de alimentação e hábitos


Relaxe:

O estresse é necessário, ele é o responsável por nos deixar alerta diante de emergências, além de nos dar energia e nos ajudar a concentrar, mas o estresse em excesso causa ansiedade e é daí que vem os problemas, por isso é importante relaxar.

Quando nos desligamos, permitimos que nosso cérebro descanse e exercita outra parte dele, a rede neural de modo padrão, ela nos permite sonhar e é a responsável por consolidar nossas memórias. 

Avalie seu método de estudos  

Avaliar seu método de estudos é essencial para identificar o que está te levando ao estado de ansiedade. 

É muito comum que o estudante tenha uma carga muito grande de estudos, mas não vê retorno dele, passa horas estudando conteúdos extensos e no final não absorve nada.

 Isso acontece pela falta de planejamento, por isso é importante avaliar cuidadosamente seu método, para identificar onde pode melhorar. 

Depois de identificar onde você está errando, deve corrigir esse erro traçando um planejamento de estudos mais eficiente, definindo etapa por etapa de todo percurso.

Isso vai ajudar a reduzir a ansiedade gerada na hora de estudar, porque ao ver um planejamento detalhado de todo conteúdo, não vai mais estar estudando um tema e pensando no próximo, ou então no anterior, não vai sentir que está perdendo tempo demais com o conteúdo. 

Ao encaixar o conteúdo que precisa estudar no tempo que tem disponível, vai conseguir tirar maior proveito do seu tempo de estudos, e isso aumentará seu desempenho, tirando a sensação de pressão que aparece quando você lembra todo o conteúdo que precisa estudar.


Leia também:


Ferramentas que podem te ajudar a lidar com a ansiedade na medicina

Já vimos como a ansiedade pode ser limitante e atrapalhar seu dia a dia, principalmente seu desempenho nos estudos, mas existem algumas ferramentas que podem te ajudar a lidar com a ansiedade e recuperar o controle. 

Essas ferramentas são: 

Definição de objetivos

Se você não sabe onde quer chegar, então não vai saber que caminho deve seguir, isso gera uma onda de incerteza e ansiedade. 

Quando você traça um plano detalhado, consegue definir seus objetivos e dificilmente se desviará deles.

Você pode começar a definir seus objetivos com as seguintes perguntas: 
  • Vai prestar a prova para residência médica? 
  • Já definiu sua especialidade? 
  • Você já escolheu o hospital onde deseja fazer a residência médica? 
  • Pretende prestar concurso? 
  • Quais são as datas das provas e quanto tempo terá para se preparar?
  • Sabe quais conteúdos serão cobrados nessas provas?

As respostas para essas e outras perguntas vão contribuir para o sentimento de segurança, e você terá certeza de que está no controle, e conseguirá manter o foco ao estudar.  

Acupuntura

Acupuntura é uma terapia milenar que tem como base a medicina tradicional chinesa.

Seu princípio fundamental é que a saúde é o equilíbrio entre corpo e mente, quando esse equilíbrio não acontece, são desencadeados os mais diversos sintomas, incluindo a ansiedade. 

A ansiedade mostra a interação entre mente e corpo, já que seus sintomas são psicológicos e físicos, e a acupuntura entende essa integração, trazendo benefícios no tratamento de transtornos de ansiedade.  

Essa técnica é feita por pequenas agulhas inseridas em pontos específicos do corpo, elas regulam as funções que estão em desequilíbrio, dessa forma, ela trata problemas mentais por meio de estimulações físicas. 

A acupuntura traz os seguintes benefícios: 
  • Estimulação de produção de endorfina e serotonina;
  • Promoção de equilíbrio físico;
  • Reduz a tensão muscular;
  • Redução de dores musculares e dores de cabeça;
  • Auxílio na regulação gastrointestinal;
  • Relaxamento (o que ajuda a reequilibrar a frequência cardíaca);
  • Reeducação e percepção da respiração (o que promove mais calma e tranquilidade);
  • Autoconhecimento (pois a ativação de pontos que eram imperceptíveis passa a ser sentidos pelo paciente);
  • Aumento da eficácia de medicamentos;
  • Senso de autocuidado.
Psicoterapia 

A psicoterapia é um dos muitos tipos de terapia, sua finalidade é tratar problemas psicológicos como ansiedade, depressão, problemas em se relacionar, entre outros problemas de saúde mental.

Esse processo é feito entre o profissional (psicólogo ou psicoterapeuta) e seu paciente. 

Por usar de terapia cognitivo comportamental, trabalhando na causa dos problemas, esse método é muito recomendado para o tratamento de ansiedade e depressão, o que geralmente não é tratado pela terapia medicamentosa. 


Leia também: Especialidade médica em Psiquiatria


Cuidado com a alimentação 

Alguns alimentos são aliados contra a ansiedade, incluir eles em seu cardápio vão te ajudar muito a reduzir os sintomas da ansiedade no seu dia-a-dia:

Alimentos ricos em antioxidante triptofano e que aumentam a serotonina:

  • Oleaginosas
  • Vinho tinto
  • Chocolate amargo
  • Carnes magras
  • Cereais integrais
  • Abacaxi
  • Banana

Alimentação rica em antioxidantes e que possua alto nível de propriedades anti-ansiedade, reduzindo o cortisol:

  • Frutas vermelhas

Alimentos ricos em zinco:

  • Ovo
  • Fígado
  • Castanhas de caju 
  • Ostras

Alimentação rica em magnésio dá a sensação de tranquilidade:

  • Espinafre
  • Acelga

Alimentos ricos em probióticos, diminuem a ansiedade:

  • Picles
  • Chuchu
  • Kefir 
  • Vegetais conservados em salmoura 

Alimentos que contam com a presença do ácido fólico, possuem propriedades anti-ansiedade:

  • Aspargos 

Leia também: Dicas de alimentação e hábitos


Técnicas Medcoach que ajudam na luta contra a ansiedade na medicina

Primeiramente, o Medcoach é um programa que tem como objetivo diminuir os sintomas da ansiedade dos médicos e estudantes de medicina que desejam prestar provas de residência médica.

Dessa forma, ele é um programa onde o aluno tem o acompanhamento de um treinador especialista no assunto e o ajuda a ter performance nos estudos e ser aprovado nas provas de Residência Médica, o programa conta com as seguintes ferramentas: 

  • Anamnese e Autoconhecimento;
  • Preparação Matinal: água, ducha fresca, alongamento, respiração, agradecimento e visualização, atitudes de sucesso e café da manhã;
  • Combustíveis da Vitória: Gerar, Mover e Recompor energia;
  • Planejamento de rotina e estudos;
  • Método e técnicas de estudo;
  • Identificação de sabotadores e crenças;
  • Afirmações positivas;
  • Respiração 4×7 e Meditação;
  • Vídeo pílula;
  • InterMedCoach.

A junção dessas ferramentas ajuda os alunos a estarem no controle e conseguirem lidar com a ansiedade, e ainda contam com a ajuda de um treinador especialista na área.


Conheça mais sobre a técnica aqui!!


Use a tecnologia ao seu favor na luta contra a ansiedade na medicina

Todos nós vivemos conectados, os aparelhos eletrônicos são quase uma extensão do nosso corpo, é conhecido que o excesso de informações que recebemos por meio dessa conexão é ansiogênica.

Ou seja, é um gatilho de ansiedade para nós, mas e se usarmos a tecnologia a nosso favor? 

Existem alguns aplicativos ótimos que podem te ajudar no controle e combate a ansiedade, mas lembrando, eles não substituem o acompanhamento de um profissional.

Pacífica:

O aplicativo te ajuda a entender o que te deixa mais ansioso e o que ajuda a melhorar. Também é possível criar metas diárias, escrever um diário de pensamentos e experimentar técnicas de relaxamento para a melhora da sua saúde no geral.

MindShift:

Este aplicativo tem como ideia central o modo como se vê a ansiedade. Ele não ajuda a evitá-la, mas sim a lidar com as crises e mantê-las sob controle através de exercícios, até para a respiração, como uma forma de tranquilizar-se.

HeadSpace:

O aplicativo se propõe a tornar a prática da meditação mais acessível, com 10 curtas meditações guiadas e uma página onde é possível você medir seu progresso. Além disso, oferece lembretes para ajudar você a se manter no caminho certo e calmo.

WorryWatch:

Esse aplicativo permite que você anote suas preocupações do momento e revise-as mais tarde, para que seja possível analisar se o resultado foi tão ruim comparado a preocupação que gerou.

Exercícios e atividades para o controle da ansiedade

Alguns exercícios, de respiração, meditação ou físicos, podem ser de grande ajuda contra a ansiedade, basta identificar o que mais combina com você:

RESPIRAÇÃO DE 9 CICLOS

Essa é uma técnica milenar indiana, que visa purificar a mente e o corpo.

Ela trabalha o meridiano do intestino grosso – meridiano de energia que começa na ponta do dedo e termina do outro lado do corpo na narina.

Ele é responsável pela eliminação de toxinas do corpo e pela produção de neurotransmissores responsáveis pela tranquilidade, serenidade e felicidade (ex.: serotonina).

Ciclo 1:
  1. Tampe a narina direita com o indicador esquerdo e inspire pela esquerda. Inspiração: com o ar que respiramos, imagine que entra uma luz branca que preenche todos os espaços do corpo.
  2. Agora, invertemos: tampe a narina esquerda com o indicador direito e expire pela direita. Expiração: com o ar que sai, estão saindo uma fumaça escura e, levando junto, todo o sentimento de vício, posses e comportamentos indesejáveis que queremos mudar.
Cicl. 2:
  1. Tampe a narina esquerda com o indicador direito e inspire pela direita. Inspiração: com o ar que respiramos, imagine que entra uma luz branca que preenche todos os espaços do corpo.
  2. Agora, invertemos: tampe a narina direita com o indicador esquerdo e inspire pela esquerda. Expiração: com o ar que sai, estão saindo uma fumaça escura e, levando junto, todos os sentimentos negativos: ódio, ciúmes, insegurança, medo.
Ciclo 3:
  1. Deixe livre as duas narinas e inspire profundamente. Inspiração: com o ar que respiramos, imagine que entra uma luz branca que preenche todos os espaços do corpo.
  2. Visualize que a expiração está saindo bem pela frente da testa. Expiração: com o ar que sai, estão saindo uma fumaça escura e, levando junto, toda a nossa ignorância e confusão mental. Essa técnica possibilita entrar em sintonia com o corpo e a mente, possibilitando um melhor desempenho na próxima técnica a ser apresentada.

RESPIRAÇÃO 4X7

Trata-se da respiração de quatro tempos, esse tipo de respiração serve para restabelecermos nossa respiração natural abdominal a uma frequência que nos mantenha mais harmonizados e energizados.

Ela funciona assim: você começa inspirando, depois retém o ar, em seguida expira e, ao final, fica sem ar, tudo isso contanto mentalmente até sete, em cada uma das etapas.

Assim, um ciclo completo dura 28 segundos.

A cada ciclo você percebe um maior efeito da tranquilidade, relaxamento, redução momentânea do estresse, alívio da ansiedade e muitos outros.

Tudo isso funciona por um motivo simples.

Quando praticamos essa respiração, estamos fazendo o que deveríamos fazer o tempo todo, mas, por motivos diversos dos dias atuais, ela perde o ritmo natural e nos provoca todas as sensações da falta de oxigenação completa, como irritação, estresse, tensão, ansiedade e muitas outras dessas famílias de comportamentos.

Quanto mais vezes você praticar, com mais bem-estar ficará. Se preferir, repita continuamente até se sentir tranquilo.

Quer tentar?

  • Inspire lentamente, contando até 7 segundos;
  • Retenha o ar, por 7 segundos;
  • Expire o ar lentamente, por 7 segundos;
  • Mantenha-se vazio, sem ar, por 7 segundos, e reinicie o ciclo.
MEDITAÇÃO DO CHOCOLATE 

A meditação do chocolate, nada mais é do que um exercício de atenção plena.

Esse exercício, quando realizado com frequência, pode te ajudar a desenvolver resiliência, que é a capacidade de suportar as reviravoltas e as mais diversas situações sem perder a calma. 

Essa meditação pede que você se atente a um pedaço de chocolate, seguindo os seguintes passos: 

Antes de tudo, é importante escolher bem o chocolate, de preferência para um que nunca tenha experimentado, isso vai te ajudar durante o processo. 
  1. Abra a tablete
  2. Parta um quadrado e olhe para ele. Deixe que os seus olhos observem bem a sua aparência, examinando cada pedacinho.
  3. Sinta o cheiro;
  4. Coloque o chocolate sobre a língua;
  5. Deixe-o derreter: sintas os muitos sabores que o chocolate tem;
  6. Fique atento aos pensamentos que lhe ocorrem e os sentidos que te despertam;
  7. Assim que o chocolate estiver derretido, engula-o.
  8. Repita isto com o quadrado seguinte.

Como foi a experiência? Sente-se mais calmo e mais presente ao momento atual?


YOGA

O Yoga é um conceito referente a tradicionais disciplinas físicas Indianas, essa prática inclui muitas sequencias e posturas, além de técnicas de respiração e relaxamento, o objetivo dessa prática é ajudar as pessoas a alcançarem seu estado meditativo por meio das posturas.

O Yoga entende que quando se equilibra corpo e mente é possível acalmar ambos. 

Essa prática regula o sistema hormonal, dosando, por exemplo, a adrenalina.

Como a ansiedade é uma agitação causada pelo excesso de energia do corpo, o Yoga é ótimo para fazer a pessoa encontrar seu equilibro e acalmar nossa mente. 


ATIVIDADE FÍSICA 

Todos já ouvimos a frase corpo são, mente sã, e ela retrata perfeitamente a relação entre atividade física e saúde mental. 

Praticar exercícios físicos regularmente estimula o nosso organismo a produção de endorfina, que é a responsável por causar a sensação de bem-estar, além da noradrenalina e a serotonina, que são as responsáveis pelo equilíbrio do nosso humor. 

Em conformidade com o que já dissemos, a prática de exercícios físicos traz inúmeros benefícios para nossa saúde mental, como:

  • reduz o aparecimento de sintomas da ansiedade e da depressão
  • aumenta a capacidade de lidar com os fatores de estresse
  • melhora a autoestima
  • também melhora a capacidade de concentração
  • contribui para a maior qualidade do sono
Algumas atividades físicas recomendadas: 
  • Natação 
  • Corrida 
  • Dança 
  • Pedalar 
  • Musculação

UM ALERTA: ANSIEDADE OU TRANSTORNO DE ANSIEDADE?

Como a ansiedade faz parte de todo ser humano, é muito fácil confundirmos a ansiedade normal com o transtorno de ansiedade generalizada (TAG), então para vamos entender essa diferença: 

Ansiedade normal:

A ansiedade faz parte de nós, precisamos dela para termos nosso senso de urgência e ficarmos alertas aos perigos, é normal termos ansiedade diante de determinadas situações como:

  • provas, na hora de estudar
  • entrevistas de emprego
  • provas práticas
  • falar em público

Ou seja, tudo que nos tire da nossa zona de conforto.

Nesses casos, a ansiedade nos prepara para enfrentar o desafio, e ela passa quando nós concluímos esse desafio. 

Transtorno da ansiedade generalizada (TAG):

É um distúrbio que tem como característica a “preocupação excessiva ou expectativa apreensiva”, persistente e de difícil controle, persiste por seis meses no mínimo e vem acompanhado por três ou mais dos seguintes sintomas:

  • inquietação
  • fadiga
  • irritabilidade
  • dificuldade de concentração
  • tensão muscular
  • perturbação do sono

Sendo assim, nesse quadro, a ansiedade deve ser acompanhada por um profissional, que prescreverá o melhor tratamento. 

Em conclusão, é muito importante falarmos sobre a ansiedade, principalmente na área médica, visto que esse assunto ainda é tratado como tabu, tanto por professores quanto por alunos.

A idealização do médico como super-herói atrapalha o tratamento, pois causa uma resistência da parte do paciente. 

Esse transtorno de ansiedade desproporcional, causa muito sofrimento e interfere na qualidade de vida e no desempenho familiar, social, profissional e acadêmico dos pacientes, por isso é necessário o diagnóstico o quanto antes para iniciar o tratamento sem demora.

Sob esse mesmo ponto de vista, assista ao vídeo sobre ansiedade na medicina, com foco na carreira médica:

Em resumo, podemos concluir que a ansiedade é realmente uma grande inimiga, e nem mesmo os médicos estão imunes a ela.

Muito pelo contrário, são o maior grupo de risco quando se trata dela.

A ansiedade na medicina, e nas demais áreas da saúde, é ocasionada devido a grande pressão a qual estão constantemente expostos.

Além disso, os plantões exaustivos, casos complexos tornam os estudos algo realmente difícil de ser realizado, sendo assim, a ansiedade na medicina é algo que acaba sendo comum.

Entretanto, conforme já sabemos, dificilmente as pessoas buscam um tratamento adequado para ela.

Outrossim, vimos também que existe uma ansiedade que é normal, posteriormente, ela também pode causar problemas, principalmente para conseguir estudar.

Dessa forma, coloque em prática as técnicas que citamos, e posteriormente confira nossos programas de preparação para residência médica, eles certamente irão te ajudar a ter mais clareza na hora de estudar e por conseguinte, você irá controlar a ansiedade, clique aqui e confira.

Contudo, se ainda estiver em dúvida sobre os programas, pode entrar em contato com nossa equipe de especialistas, eles certamente estão prontos para te ajudar em qualquer dúvida que tiver, clique aqui e fale com eles.

Por fim, um forte abraço, até a próxima. 


Siga-nos nas redes sociais e receba sempre novidades e dicas super importantes: Facebook, Instagram, Youtube Twitter Linkedin

Conteúdos relevantes

Deixe um comentário

Dar nossa contribuição para a carreira médica é o melhor jeito de contribuir com a evolução da saúde no país. Junte-se a mais de 35 mil médicos e receba dicas e conteúdo exclusivo.

RECEBA GRÁTIS CONTEÚDOS EM SEU E-MAIL