banner desktop banner mobile

Especialidades médicas menos concorridas

Especialidades médicas menos concorridas

Inquestionavelmente, a medicina é uma área muito ampla, contudo, algumas especialidades médicas sofrem um congestionamento, em contraste, vemos que outras precisam de profissional, por esse motivo, vamos falar hoje sobre as especialidades médicas menos concorridas.

Em síntese, continue lendo e descubra quais são essas especialidades que precisam tanto de mais profissionais no mercado.

Especialidades médicas menos concorridas

Já falamos em outro post sobre as especialidades médicas mais concorridas, similarmente, hoje trouxemos as especialidades médicas menos concorridas.

De maneira que, conhecer essas especialidades é essencial para escolher a sua, uma vez que saber quais áreas da medicina tem uma maior necessidade, ajudará você a atuar em uma área em que poderá ajudar mais.

Em outras palavras, conheça, a seguir, as especialidades médicas menos concorridas:


Especialidades médicas menos concorridas

Cirurgia de Mão

O que faz?

Primeiramente, o especialista em cirurgia da mão é responsável por reparar e reconstruir:

  • lesões ósseas;
  • tendinosas;
  • ligamentares;
  • nervosas;
  • musculares;
  • de cobertura cutânea nas mãos, punhos e cotovelos. 

Posteriormente, esse especialista também atua no tratamento de doenças degenerativas e deformidades congênitas tanto de mãos quanto de punhos. 

Outro detalhe interessante dessa especialidade é que o profissional possui treinamento em microcirurgia, o que, portanto, o possibilita realizar procedimentos como reimplantes de segmentos amputados, transferência de tecidos à distância (retalhos microcirúrgicos), assim como realizar reparo de lesões de nervos periféricos não só nas mãos, como também em todo o corpo.

Duração: 

Salvo que, a especialização em cirurgia da mão é uma residência médica com duração de 2 anos, e por ser uma especialização com pré-requisito, o candidato precisa ter cursado antes Ortopedia e Traumatologia ou Cirurgia Plástica. 

Perfil do profissional:

Salvo que, se você não gosta de rotina, essa especialidade é perfeita para você!

Para atuar como cirurgião de mão, é necessário gostar de técnicas cirúrgicas, tanto as mais delicadas quanto as mais complexas, além de estar habituado a fazer procedimentos reconstrutivos que não se limitam apenas às mãos.

Em conclusão, sua atuação e procedimentos se estendem para o resto do corpo. 

Concorrência: 

Atualmente temos 791 profissionais registrados na Sociedade Brasileira de Cirurgia da Mão (2018), o que corresponde a 0,2% da população médica Brasileira.

Esses profissionais estão distribuídos da seguinte maneira entre as regiões:

  • Norte – 3,0%
  • Nordeste – 14,4%
  • Sudeste – 58,4%
  • Sul – 17,6%
  • Centro-Oeste – 6,6%

Dentre esses 791 profissionais, os homens são a maioria, de forma que representam 84,6% dos especialistas, enquanto as mulheres representam 15,4%. desse grupo. 

Área de atuação:

Essa é uma especialidade médica que tem uma demanda maior em emergências, contudo, também pode atuar nas diversas patologias de tratamento eletivo.


Especialidades médicas menos concorridas

Radioterapia

O que faz?

A radioterapia é uma modalidade terapêutica que faz uso da radiação ionizante para o tratamento de diferentes patologias, em especial, o câncer.

Entretanto, recentemente, essa especialidade vem sendo chamada de Rádio-Oncologia, visto que está cada vez mais voltada para o estudo e tratamento do câncer, com o intuito de adquirir ainda mais conhecimentos específicos para a aplicação terapêutica da radiação ionizante. 

Entretanto, esse profissional não trata apenas o câncer, visto que outras patologias podem ser tratadas com o uso da radioterapia, como:

  • tumores benignos;
  • malformações vasculares;
  • quelóides;
  • ginecomastia;
  • entre outros.

Duração: 

A especialidade em Radioterapia, também chamada de Rádio-Oncologia tem a duração de 3 anos, e não há necessidade de curso pré-requisito para ingressar na residência, visto que essa é uma especialidade de acesso direto.

Perfil do profissional:

Muitos dizem que essa é uma das especialidades para quem não quer tanto contato com o paciente. Entretanto, isso é um mito!

No seu dia a dia, o rádio-oncologista tem contato direto com os pacientes, principalmente nos casos de câncer, que estão passando por um momento tão doloroso, o que exige muita empatia do profissional.

Concorrência: 

No momento, temos aproximadamente 734 rádio-oncologistas registrados pela Sociedade Brasileira de Radioterapia (2018), o que corresponde a 0,2% da população médica Brasileira.

Esses profissionais estão distribuídos da seguinte maneira entre as regiões:

  • Norte – 4,4%
  • Nordeste – 15,0%
  • Sudeste – 57,2%
  • Sul – 15,1%
  • Centro-Oeste – 8,3%

Dentre esses 734 profissionais, os homens são a maioria, de forma que representam 63,5% dos especialistas, enquanto as mulheres representam 36,5% desse grupo. 

Área de atuação:

Essa especialidade é muito dependente da estrutura de clínicas e hospitais, devido a complexidade do tratamento radioterápico.

Além de equipes formadas por físicos e técnicos em radioterapia, igualmente dos aparelhos de tratamento, que tem um custo elevado tanto de aquisição quanto de manutenção. 

Dessa maneira, o mercado de radioterapia pode enfrentar dois picos, sendo esses momentos de grande expansão, onde existe grande disponibilidade de vagas, quanto momentos de retração, que são marcados por crises econômicas. 


Especialidades médicas menos concorridas

Genética Médica

O que faz?

Esse especialista é o responsável por lidar com doenças genéticas, que são raras e, em sua grande maioria, hereditárias.

Muitas pessoas acreditam que esta seja uma especialidade laboratorial, contudo, ela é como a Clínica Médica das doenças raras, visto que elas compartilham características semelhantes, como:

  • investigação
  • diagnóstico
  • tratamento (quando disponível)
  • acompanhamento de comorbidades
  • atenção integral à saúde do indivíduo.

Duração: 

Essa é uma especialidade de acesso direto, ou seja, não exige pré requisitos para iniciar a residência, de forma que sua duração seja de 3 anos. 

Entretanto, muitos geneticistas optam por cursar alguma especialidade antes de entrarem na residência, a mais comum dentre as especialidades é a Pediatria.

Perfil do profissional:

O especialista em Genética é caracterizado com um perfil curioso, visto que antes de algum caso chegar até ele, várias outras especialidades tentam encontrar uma solução.

E quando não conseguem, repassam para esse especialista, com o propósito de que ele, por meio da investigação, sem dúvida, encontre o diagnóstico.

Concorrência: 

No momento, temos aproximadamente 305 geneticistas registrados pela Sociedade Brasileira de Genética Médica (2018), o que corresponde a 0,1% da população médica Brasileira.

Esses profissionais estão distribuídos da seguinte maneira entre as regiões:

  • Norte – 1,3%
  • Nordeste – 11,5%
  • Sudeste – 58,7%
  • Sul – 19,3%
  • Centro-Oeste – 9,2%

Dentre esses 305 profissionais, as mulheres são a maioria, de forma que representam 64,6% dos especialistas, bem como os homens representam 35,4% desse grupo. 

Área de atuação:

Esse profissional pode atuar em diversas áreas, sendo essas:

  • Ambulatório/consultório, público ou privado;
  • Suporte a hospitais e maternidades; 
  • Laboratórios de exames moleculares ou centros especializados;
  • Centros de Oncologia e de Reprodução Humana Assistida.

Contudo, não existe uma regra para a atuação desse profissional, de forma que muitos profissionais optam também por áreas de pesquisa científica.

Outra área muito importante de atuação desse profissional, é na realização do pré-natal, identificando casais de risco e minimizando as chances de doenças genéticas através de algumas medidas laboratoriais.

Um detalhe importante é que o médico especialista em Genética não realiza plantões, como as demais especialidades. 


Especialidades médicas menos concorridas

Medicina Esportiva 

O que faz?

Essa especialidade é a responsável por abordar questões sobre a atividade física, exercício físico e do esporte em pessoas de todas as idades, de todos os níveis de treinamento, independente se elas tem alguma doenças ou não.

A  intenção desse profissional é prevenir, tratar, reabilitar, melhorar tanto o desempenho quanto a qualidade de vida das pessoas. 

Duração: 

A medicina esportiva é uma especialidade de acesso direto, composta por 3 anos de residência médica, onde o profissional será considerado um Clínico Geral voltado para a fisiologia de todos os sistemas do nosso organismo, e como o exercício pode atuar para beneficiá-lo.

Perfil do profissional:

Esse especialista tem como característica um perfil ativo e está em constante contato com os pacientes, de forma atenciosa monitorando sua rotina e hábitos para que o mesmo atinja uma melhor qualidade de vida.

Concorrência: 

No momento, temos aproximadamente 869 médicos especialistas registrados pela Sociedade Brasileira de Medicina Esportiva (2018), o que corresponde a 0,2% da população médica Brasileira.

Posteriormente, esses profissionais estão distribuídos da seguinte maneira entre as regiões:

  • Norte – 2,4%
  • Nordeste – 13,6%
  • Sudeste – 58,6%
  • Sul – 18,5%
  • Centro-Oeste – 6,9%

Dentre esses 869 profissionais, os homens são a maioria, de forma que representam 82,9% dos especialistas, por outro lado, as mulheres representam 17,1% neste grupo. 

Área de atuação:

Muitas pessoas associam esse profissional exclusivamente a times de futebol, o que é uma das suas áreas de atuação. 

Entretanto, é cada vez mais comum ver esse profissional atuar com análises laboratoriais para individualização das cargas de treino.

Igualmente como períodos de descanso com o propósito de prevenir lesões musculares. 

Todavia, há também as análises sanguíneas com o intuito de colher informações como:

  • Perfil nutricional;
  • Patologias inerentes à modalidade praticada;
  • Detecção de doping sanguíneo.

Posteriormente, a Medicina do Esporte atua lado a lado com quase todas as especialidades entre elas: 

  • Fisiatria ou Medicina Física e Reabilitação;
  • Emergência;
  • Endocrinologia; 
  • Pneumologia;
  • Cardiologia;
  • Ortopedia;
  • Pediatria;
  • Geriatria;
  • Reumatologia;
  • Ginecologia;
  • Otorrinolaringologia.

Medicina Legal e Perícias Médicas

O que faz?

Essa especialidade é a junção de duas grandes áreas, a medicina e a justiça, de forma que os conhecimentos da medicina são usados para esclarecer fatos criminosos de interesse judiciário.

Duração: 

Sendo uma especialidade de acesso direto, o candidato poderá ingressar nela logo após sua graduação em medicina, sua residência médica tem duração de 3 anos.

Perfil do profissional:

Portanto, a expertise principal desse profissional é ter como sua prioridade máxima não negar o que é legítimo e não conceder o que não é devido.

Visto que o Médico Perito poderá concluir se uma pessoa é portadora ou não de algum problema, ou doença, se terá sequelas causadas por acidentes.

Igualmente como reunir condições para que o paciente possa se adaptar, ou fazer alguma atividade que melhore seu desempenho tanto físico quanto mental.

Em suma, a honestidade, bem como o profissionalismo, devem ser o cargo chefe desse profissional.

Concorrência: 

Segundo pesquisas, temos aproximadamente 827 médicos especialistas registrados pela Sociedade Brasileira de Medicina Legal e Perícias Médicas (2018), o que corresponde a 0,2% da população médica Brasileira.

Esses profissionais estão distribuídos da seguinte maneira entre as regiões:

  • Norte – 8,0%
  • Nordeste – 21,9%
  • Sudeste – 35,3%
  • Sul – 16,3%
  • Centro-Oeste – 18,5%

Por outra, dentre esses 827 profissionais, os homens são a maioria, de forma que representam 80,7% dos especialistas, enquanto as mulheres representam 19,3% neste grupo. 

Área de atuação:

Primordialmente, o objetivo dessa especialidade é auxiliar a justiça em casos que envolvam a área médica.

Além disso, a atuação desta especialidade envolve também demandas administrativas e jurídicas, que necessitem de um esclarecimento de assuntos:

  • Criminais;
  • Cíveis;
  • Trabalhistas.

Similarmente, na parte da perícia, o profissional irá descobrir a causa e o efeito entre:

  • Doença ou lesão;
  • Doença ou sequela;
  • Morte e assassinato;
  • Acidentes;
  • Atividades e seus riscos.

Sob o mesmo ponto de vista, alguns peritos médicos também podem trabalhar na área de exame de DNA, definindo o grau de parentesco entre as pessoas.

Em conclusão, vimos um TOP 5 das especialidades médicas menos concorridas no Brasil, segundo o estudo da demografia médica de 2018.

Igualmente, tivemos a oportunidade de analisar um pouco mais a fundo cada uma dessas especialidades, tal como seu cenário atual.

Dessa maneira, foi possível reconhecer grandes oportunidades na área da medicina, outrossim, se você ainda não definiu sua especialidade médica, seria interessante considerar esse nosso TOP 5 como opções.

Afinal, você poderá ajudar em áreas e localizações que mais precisam, ao invés de se concentrar em áreas saturadas.

Em suma, esperamos que esse post tenha ajudado você a conhecer mais sobre essas especialidades e, por fim, quem sabe, considerá-las como uma opção.

Por conseguinte, depois de conhecer as especialidades médicas menos concorridas, assista também a um vídeo com dicas sobre como definir sua especialidade médica:

Sendo assim, se precisar de ajuda pode entrar em contato com a nossa equipe de especialistas, certamente eles estarão prontos para te ajudar.

Por fim, um forte abraço, até a próxima. 


Siga-nos nas redes sociais e receba sempre novidades e dicas super importantes: Facebook, Instagram, Youtube Twitter Linkedin

Conteúdos relevantes

Deixe um comentário

Dar nossa contribuição para a carreira médica é o melhor jeito de contribuir com a evolução da saúde no país. Junte-se a mais de 35 mil médicos e receba dicas e conteúdo exclusivo.

RECEBA GRÁTIS CONTEÚDOS EM SEU E-MAIL