banner desktop banner mobile

20 Curiosidade sobre a Residência Médica na Unicamp

20 Curiosidade sobre a Residência Médica na Unicamp

A Residência Médica na Unicamp é uma das mas concorridas, visto que ela é uma das universidades mais conceituadas do Estado de São Paulo, mas você já conhece as exigências para fazer residência médica na Unicamp? Separamos algumas.


1- Processo Seletivo da Residência Médica na Unicamp

O processo seletivo da residência médica na Unicamp segue o mesmo padrão dos demais concursos, sendo assim, ele é divido em três etapas:

Prova Objetiva 

Também chamada de prova teórica, a prova é pontuada de 0 a 10 e ela tem peso equivalente à 50% da nota final do processo seletivo, ela é composta por 80 questões de múltipla escolha relacionadas às áreas básicas de:

  • cirurgia geral
  • clínica médica
  • obstetrícia e ginecologia
  • medicina preventiva e social
  • pediatria
Prova Prática

Essa etapa da prova também é pontuada de 0 a 10 e seu peso equivale a 40%, nela o candidato circulará entre as 5 estações práticas nas áreas:

  • cirurgia geral
  • clínica médica
  • obstetrícia e ginecologia
  • medicina preventiva e social
  • pediatria

E é importante lembrar que o candidato só poderá levar na prova os seguintes itens:

  • Óculos de grau, se usar
  • Documento de identificação
  • Estetoscópio
→ Currículo e Entrevista pessoal

Essa é a última etapa do processo seletivo tem um peso equivalente a 10,  e assim como as anteriores, é pontuada de 0 a 10.

Nessa etapa será avaliado o curriculum vitae do candidato, e nele deverá conter:

  • aproveitamento durante o curso de graduação;
  • iniciação científica;
  • publicação de trabalhos completos em periódicos;
  • participação em teste de progresso;
  • participação em atividade de representação estudantil

Aqui você poderá conferir como montar um bom curriculum para a fase de entrevista.


2 – Pós-graduação, Mestrado e Doutorado 

Após a conclusão da especialidade, é possível que o médico se matricule em um dos cursos de pós-graduação, mestrado u doutorado da Faculdade de Ciências Médicas da Unicamp (FCM).

Dessa forma, ele poderá atuar com o desenvolvimento de projetos e pesquisas dentro da instituição. 

Sendo assim, algumas áreas que o candidato pode escolher são:

  • Assistência ao Paciente Oncológico
  • Ciência Aplicada à Qualificação Médica
  • Ciências Médicas
  • Ciências da Cirurgia
  • Clínica Médica
  • Farmacologia
  • Fisiopatologia Médica
  • Genética Humana
  • Gerontologia
  • Hemoterapia
  • Saúde Coletiva
  • Saúde Coletiva: Políticas e Gestão em Saúde
  • Saúde da Criança e do Adolescente
  • Saúde, Interdisciplinaridade e Reabilitação
  • Tocoginecologia

3 – Dedicação  antes, durante e depois

Por ser uma das poucas faculdades que oferece 46 especialidades de residência médica, a UNICAMP é uma das mais concorridas.

Dessa forma, já é de se esperar que o processo seletivo dessa instituição exija muita dedicação dos candidatos, visto que se trata de uma prova um tanto quanto rigorosa.

Mas e depois que o candidato é aprovado na residência médica na UNICAMP?

Ele ainda precisará de muita dedicação e disciplina para cumprir suas horas e conseguir acompanhar o ritmo do programa e a rotina da especialidade que escolheu.


4 – Especialidades médicas disponíveis na residência médica na Unicamp

Como dissemos, a Unicamp é uma das poucas instituições que oferecem 46 especialidades médicas, vamos ver quais são:

Sendo assim, as especialidades médicas de ACESSO DIRETO são:
  • Anestesiologia
  • Cirurgia Cardiovascular
  • Cirurgia Geral 3 anos
  • Área Cirúrgica Básica (2 anos)
  • Clínica Médica
  • Dermatologia
  • Genética Médica
  • Infectologia
  • Medicina de Emergência
  • Medicina de Família e Comunidade
  • Medicina do Trabalho
  • Medicina Intensiva
  • Medicina Nuclear
  • Medicina Preventiva e Social
  • Neurocirurgia
  • Neurologia
  • Obstetrícia e Ginecologia
  • Oftalmologia
  • Ortopedia e Traumatologia
  • Otorrinolaringologia
  • Patologia
  • Patologia Clínica/Medicina Laboratorial
  • Pediatria, Psiquiatria
  • Radiologia e Diagnóstico por Imagem
  • Radioterapia
Dessa forma, as especialidades médicas de ESPECIALIDADES CLÍNICAS são:
  • Alergia e Imunologia
  • Cancerologia Clínica
  • Cardiologia
  • Clínica Médica – R3 (ano adicional)
  • Endocrinologia
  • Gastroenterologia
  • Geriatria
  • Hematologia e Hemoterapia
  • Nefrologia
  • Pneumologia
  • Reumatologia
Em seguida temos as ESPECIALIDADES CIRÚRGICAS:
  • Cirurgia de Cabeça e Pescoço
  • Cirurgia do Aparelho Digestivo
  • Cirurgia do Trauma (área de atuação)
  • Cirurgia Geral – Programa Avançado
  • Cirurgia Pediátrica
  • Cirurgia Plástica
  • Cirurgia Torácica
  • Cirurgia Vascular
  • Coloproctologia
  • Urologia
A instituição inclui também especialidades nas ÁREAS DA PEDIATRIA, e elas são:
  • Alergia e Imunologia Pediátrica
  • Cancerologia Pediátrica (especialidade)
  • Cardiologia Pediátrica
  • Emergência Pediátrica
  • Endocrinologia Pediátrica
  • Gastroenterologia Pediátrica
  • Hematologia e Hemoterapia Pediátrica
  • Medicina do Adolescente
  • Medicina Intensiva Pediátrica
  • Nefrologia Pediátrica
  • Neonatologia
  • Neurologia Pediátrica
  • Pneumologia Pediátrica
  • Reumatologia Pediátrica
Tem também outras ESPECIALIDADES como:
  • Cirurgia da Mão
  • Mastologia
A Unicamp conta também com ÁREAS DE ATUAÇÃO E ANOS ADICIONAIS como:
  • Administração em Saúde
  • Angiorradiologia e Cirurgia Endovascular
  • Ecocardiografia
  • Endoscopia Digestiva
  • Endoscopia Ginecológica
  • Hansenologia
  • Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista
  • Hepatologia
  • Infectologia Hospitalar
  • Medicina Fetal
  • Neurofisiologia Clínica
  • Psicogeriatria
  • Psiquiatria da Infância e da Adolescência
  • Transplante de Córnea
  • Transplante de Fígado
  • Transplante de Medula Óssea
  • Transplante de Rim – Nefrologia
  • Transplante de Rim – Urologia
  • Ultrassonografia em Ginecologia e Obstetrícia

Dessa forma podemos ver que essa é uma das instituições que traz um leque mais completo de opções para os candidatos quanto a especialidade médica.

Essa abrangência na área da medicina pode ser muito bem aproveitada depois da residência médica, sendo usada como R3 ou alguma outra especialização.


5 – Diploma e CRM  

Assim como as demais instituições, é obrigatório os candidatos estejam munidos da comprovação do seu diploma, assim como estarem devidamente inscritos no Conselho Regional de Medicina antes de iniciar sua residência médica.

Neste caso, o registro pode ser do Estado de São Paulo, onde situa-se a universidade, ou do Estado do estado de origem do profissional.


6 –  Médicos formados no exterior

Médicos formados no exterior poder prestar residência médica na Unicamp.

Contanto que apresentem seu diploma de conclusão do curso devidamente revalidado para atuação no país.

É necessário também que eles estejam inscritos no CRM de São Paulo.

Mas e se o médico não tiver seu diploma revalidado?

A Unicamp também realiza essa revalidação dos seus certificados de conclusão de programas de residência médica expedidos por estabelecimentos estrangeiros.

Dessa forma, a revalidação é realizada por meio de uma avaliação da equivalência  curricular, e posteriormente a aplicação de uma prova teórico prática.


7 – Médicos estrangeiros  

E quanto aos médicos estrangeiros que se formaram no Brasil?

Os estrangeiros que cursaram medicina no Brasil, podem prestar a prova de residência médica.

Contanto que apresentem o comprovante de inscrição no CRM e SP, e também o visto permanente.


8 – Chamadas

E os candidatos que não foram convocados na primeira chamada?

Eles podem continuar disputando as demais vagas, mas para isso, é necessário que os candidatos declarem ter interesse na vaga.

Sendo essa etapa realizada exclusivamente pela internet, e se o candidato não a realizar, será entendido que ele não tem interesse na mesma.

Ficando assim, de fora das próximas chamadas.


9 – TCC 

Ao concluir a carga horária exigida pela instituição, o médico residente deverá elaborar, no último semestre do programa, um trabalho de conclusão de curso.

O famoso TCC, para que ele possa vir a receber seu diploma de conclusão na área de estudo.

E possa assim, finalmente se tornar um médico especialista.


10 – Horas de Estágio

A instituição cobra que os médicos realizem 2.800 horas em estágio, nos dois primeiros anos do curso.

Essas horas de estágio podem ser realizadas em um dos três hospitais universitários administrados pela instituição, eles são:

  • Hospital de Clínicas (HC)
  • Hospital Estadual Sumaré (HES)
  • Hospital da Mulher “Professor Doutor José Aristodemo Pinotti” – Centro de Atenção Integral à Saúde da Mulher (Caism)

Assim como os setores de apoio:

  • Hemocentro
  • Centro de Diagnóstico de Doenças do Aparelho Digestivo (Gastrocentro)
  • Centro de Estudos e Pesquisas em Reabilitação “Prof. Dr. Gabriel O.S. Porto” (Cepre)

Essas áreas estão inserida dentro da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) e realiza atividades de ensino, pesquisa, assistência e extensão.

Chega a atender cerca de 500 mil pacientes por ano, principalmente provenientes da macrorregião de Campinas e sul de Minas Gerais.


11 – Divisão do Trabalho 

Outra exigência da instituição, em sintonia com o órgão regulador, é que os estudantes precisam cumprir, semanalmente, 60 horas de trabalho durante todo o programa.

Geralmente essa grade é dividida da seguinte forma:

Até 90% ao atendimento ambulatorial e, no máximo, 20% destinadas as aulas teóricas.


12 – Cobrança Profissional

Os residentes já são formados médicos, dessa forma, não são vistos pela instituição apenas como alunos.

São vistos como profissionais, e isso é cobrado deles.

Sendo assim, durante o período da residência médica, eles terão mais autonomia do que na época do Internato.


13 – Treinamento em Serviço 

Voltando a falar sobre a divisão de trabalho, uma das etapas do programa de residência médica são os plantões semanais.

Onde já falamos que sua exigência é de 60 horas e essas aulas práticas leva o nome de treinamento em serviço.

Que nada mais é do que colocar em prática o que aprendeu durante as aulas teóricas, e proporciona um contato com o paciente.


14 – Tempo Integral

Os cursos de residência médica seguem o padrão de normas da Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM).

Sendo assim, aplica a exigência de que o programa seja ministrado em tempo integral.


15 – Assessoria Técnica de Coordenação 

É um órgão de auxílio aos estudantes, onde são escolhidos um preceptor, um residente chefe e três representantes de residência.

Seu intuito é organizar, dirigir, orientar e supervisionar a Residência Médica.

Dessa forma, cada área de especialização ainda deve eleger um médico residente como representante e seus respectivos suplentes, o mandato vale por um ano.

Dessa forma, a comissão é formada da seguinte maneira:

  1. Coordenador;
  2. Vice-Coordenador;
  3. Comissão Executiva;
  4. Conselho Deliberativos
  5. Assessoria técnica de Coordenação

Já as Subcomissões de Exames de Admissão à Residência Médica, são compostas da seguinte forma:

  • Subcomissão de Exames das especialidades de acesso direto
  • Subcomissão de Exames das especialidades clínicas
  • Subcomissão de Exames das especialidades cirúrgicas
  • Subcomissão de Exames das áreas de atuação em Pediatria

A Unicamp disponibiliza em seu site um artigo oficial completo falando sobre as funções e suas responsabilidades, ele se encontra no Regimento Interno.


16 – Obrigações do Preceptor

O preceptor é um profissional que já possui seu certificado de especialista na área.

Sendo assim sua função é coordenar, fiscalizar e orientar o grupo de residentes no departamento em questão.

Ele também irá organizar as escalas de trabalho, além de sempre estar em comunicação como o COREME, entre outras funções.


17 – Avaliações que Cobram a Prática 

Durante o decorrer do programa, o residente passa por uma série de avaliações.

Onde grande parte delas é prática, visto que os professores dão prioridade para essas na hora de aplicar a nota.


18 – Avaliação Anual 

Essa avaliação é obrigatória, nela os estudantes avaliam o programa, o cumprimento das exigências por parte da instituição, entre outros pontos.

Essa avaliação poderá ser feita por escrito ou por algum meio eletrônico.


19 – Programas da instituição

A Unicamp oferece programas de residência médica em:

  • 47 especialidades
  • 36 áreas de atuação
  • 6 programas de anos adicionais

Todos os programas são credenciados junto à Comissão Nacional de Residência Médica (CNRM), promovendo o treinamento e qualificação de médicos.


20 – Parada do Programa 

O bolsista terá no máximo 120 dias para suspensão de sua bolsa, por motivos de saúde.


Você sabia que priorizando e fazendo análises dos hospitais e provas que irá prestar, você economiza dinheiro e energia?


E se precisar de ajuda pode entrar em contato com a nossa equipe de especialistas, eles estão prontos para te ajudar.

Um forte abraço, até a próxima. 

Siga-nos nas redes sociais e receba sempre novidades e dicas super importantes: Facebook, Instagram, Youtube Twitter

Conteúdos relevantes

Deixe um comentário

Dar nossa contribuição para a carreira médica é o melhor jeito de contribuir com a evolução da saúde no país. Junte-se a mais de 35 mil médicos e receba dicas e conteúdo exclusivo.

RECEBA GRÁTIS CONTEÚDOS EM SEU E-MAIL