Os Verdadeiros Desafios que Você Enfrentará na Residência Médica

Os Verdadeiros Desafios que Você Enfrentará na Residência Médica

A residência médica é uma etapa para essencial na especialização dos profissionais da saúde.

A especialização é como uma pós-graduação aos médicos, aonde você vivera tudo na pratica.

É nessa fase que eles aprendem tudo sobre uma área especifica da saúde, para posteriormente atuar como médico especialista.

Para ingressar na residência médica é necessário prestar uma prova, considerada como o segundo vestibular de medicina.

O concurso público para residentes é uma avaliação extensa, dividida em três etapas e que pode se tornar um pesadelo para os médicos.

Alguns profissionais começam a se dedicar ainda no período da faculdade, para ter um bom desempenho no exame.

Mas essa não é a única situação que os residentes irão enfrentar durante o curso.

Durante a residência eles passam a trabalhar em hospitais, como forma de colocar em pratica o que aprendem na teoria.

Essa fase, por si só, é pesada, visto que o salário reduz e o tempo de serviço aumenta.

Muitos profissionais acabam se dividindo em uma jornada intensa de trabalho para equiparar o salário que ganhava antes de ingressar na residência médica.

Por isso, separamos algumas situações que são comuns no dia-a-dia dos residentes e você terá que enfrentar se for ingressar na residência médica.

 

Nesse artigo você vai saber mais sobre:

Redução do salário e plantões

Hora extra e condições de trabalho

Treinamento em serviço na residência médica

A prova de residência médica é cara

Você não pode repetir a especialização

A prova é um novo vestibular

Na residência médica você terá uma rotina agitada

Gestão mais difícil e poucos recursos

Pouca idade e incompreensão de pacientes

Mercado concorrido e sua especialidade

 

REDUÇÃO DO SALÁRIO E PLANTÕES


Na residência médica você é um bolsista e irá receber um auxílio na faixa de R$ 2 a R$ 3 mil, bem abaixo do que um generalista costuma receber.

Normalmente, um médico que atua como generalista ganha, em média, R$ 11 mil por mês.

Eles não são eliminados, só tem uma duração menor.

Ao invés das 12 horas, você precisará cumprir uma grade de 60h semanais, com intervalo obrigatório de seis horas entre cada um.

As folgas sempre aos sábados ou domingos, somente uma por semana.

Durante os plantões, que são obrigatórios, você não poderá trabalhar em outros hospitais, a não ser que sejam intercalados com os da residência.

No entanto, muitos médicos não conseguem encontrar tempo hábil para isso.

 

HORA EXTRA E CONDIÇÕES DE TRABALHO


Como o salário é muito abaixo do recebido como generalista, os residentes acabam enfrentando plantões além dos previstos pelo curso para arcar com as contas.

A rotina acaba muito mais pesada, o que pode interferir no desempenho como residente.

Esse acumulo de plantões é bastante comum durante o período de estudos.

As vezes o estudo é comprometido pela falta de material.

Assim como as condições da saúde no país, a formação muitas vezes carece de muitos recursos.

É comum o médico precisar de material para fazer algum procedimento e o hospital não dispor, são situações do cotidiano da profissão, não somente na época da residência médica.

 

TREINAMENTO EM SERVIÇO NA RESIDÊNCIA MÉDICA


Essa é uma forma mais amena para passar aos residentes que eles estarão realmente trabalhando para ter uma especialização, com um salário baixo e uma carga horária árdua.

Como já dito, a bolsa de auxílio na residência tem valor médio de R$ 3 mil, enquanto um médico que atua como generalista consegue um salário de R$ 11 mil por mês, aproximadamente.

Isso é um fator que acaba desmotivando muito médicos de tentarem se especializar.

 

A PROVA DE RESIDÊNCIA MÉDICA É CARA


Se você quer iniciar sua residência médica, a taxa de inscrição tem valor mínimo de aproximadamente R$ 300.

Em algumas instituições, o valor da taxa ultrapassa os R$ 600.

A Universidade de São Paulo é uma das que trabalha com esse preço.

Sem contar que o valor tem reajuste em algumas edições.

 

Saiba mais dicas de coaching para ficar totalmente preparado para a residência.

 

VOCÊ NÃO PODE REPETIR A ESPECIALIZAÇÃO


Caso tenha interesse em refazer o curso, por lei não é permitido.

Os médicos não podem participar de uma residência de especialização que já tenham concluído.

Mas é possível cursar uma nova especialização caso tenha interesse, a única coisa é que não pode ser o mesmo curso.

A não ser que instituição tenha um processo seletivo unificado, você não poderá prestar a prova com duas opções de especialização, só podendo cursar uma das opções, caso passe.

 

A PROVA É UM NOVO VESTIBULAR


Se hoje você trabalha como generalista fazendo um ou dois plantões, é bom lembrar da época do vestibular e o quanto estudou para ele, porque o concurso é bastante intenso.

O exame é divido em três etapas, com as clássicas provas teórica e pratica, uma avaliação do currículo e uma entrevista pessoal.

Só a primeira parte significa 90% da prova como um todo, o restante fica divido entre o currículo profissional e a fase de entrevistas.

 

NA RESIDÊNCIA MÉDICA VOCÊ TERÁ UMA ROTINA AGITADA


Na residência médica você não apenas presta plantão e atende a seus pacientes, mas também redige relatórios, presta contas, gerencia um consultório ou clínica, enfim, é um protocolo muito rigoroso.

 

GESTÃO MAIS DIFÍCIL E POUCOS RECURSOS


Você até pode conseguir fazer um bom trabalho com o paciente, mas a gestão pública ou privada, com seus problemas de estrutura, por exemplo, impede que essa atuação tenha sucesso.

Pela falta de estrutura, muitas vezes o residente se depara com pacientes que não consegue tratar, a grande maioria é por demanda de medicamentos.

 

POUCA IDADE E INCOMPREENSÃO DE PACIENTES


Médico residente jovem gera descrédito a pacientes de mais idade.

Isso é algo comum na profissão, sendo que muitas pessoas acreditam que a experiência tem a ver com as primaveras já vividas.

Com a modernização da saúde, que hoje conta com uma serie de tecnologias e novos métodos a seu favor, um médico que não se atualiza, independentemente da idade, é que está despreparado, mas na prática, a idade conta muito para a maioria dos pacientes.

Alguns querem as coisas na hora e não compreendem que para saber seu quadro clínico são necessários exames, analises, e outros procedimentos.

 

MERCADO CONCORRIDO E SUA ESPECIALIDADE


Dependendo da especialização, o residente ainda enfrentará o grande número de inscritos na prova e as poucas vagas para o curso.

Depois de formado, o residente não vai ficar em um mundo fechado onde atende só sua especialidade, vira e mexe aparece um caso de fora, isso até na residência médica.

Como isso é rotineiro na profissão, é importante que ele tenha alguma experiência antes de começar como residente.

Tanto que a parte pratica da prova tem um peso alto.

Os médicos costumam tentar o concurso pela primeira vez após dois anos atuando na área.

 

Gostou deste artigo? Então deixe o seu comentário aqui embaixo e veja outros conteúdos que provavelmente você irá gostar!

 

Conteúdos relevantes

Deixe um comentário

Dar nossa contribuição para a carreira médica é o melhor jeito de contribuir com a evolução da saúde no país. Junte-se a mais de 35 mil médicos e receba dicas e conteúdo exclusivo.

RECEBA GRÁTIS CONTEÚDOS EM SEU E-MAIL