O que é e como funciona a Residência Multiprofissional

O que é e como funciona a Residência Multiprofissional

A residência multiprofissional na área profissional da saúde, criada a partir da promulgação da Lei n° 11.129 de 2005, são orientadas pelos princípios e diretrizes do Sistema Único de Saúde (SUS).

A partir das necessidades e realidades locais, regionais e estaduais elas abrangem as profissões da área da saúde, a saber: Biomedicina, Ciências Biológicas, Educação Física, Enfermagem, Farmácia, Fisioterapia, Fonoaudiologia, Medicina Veterinária, Nutrição, Odontologia, Psicologia, Serviço Social e Terapia Ocupacional (Resolução CNS nº 287/1998).

A Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde – CNRMS, instituída por meio da Portaria Interministerial nº1. 077, de 12 de novembro de 2009, é coordenada conjuntamente pelo Ministério da Saúde e o Ministério da Educação e tem como principais atribuições:

 

Avaliar e acreditar os programas de Residência Multiprofissional em Saúde e Residência em Área Profissional da Saúde de acordo com os princípios e diretrizes do SUS e que atendam às necessidades sócio epidemiológicas da população brasileira;

 

Credenciar os programas de Residência Multiprofissional em Saúde e Residência em Área Profissional da Saúde bem como as instituições habilitadas para oferecê-lo;

 

Registrar certificados de Programas de Residência Multiprofissional em Saúde e Residência em Área Profissional da Saúde, de validade nacional, com especificação de categoria e ênfase do programa.

 

A residência é uma modalidade diferente de ensino de pós-graduação, sob curso que a pessoa vai fazer a especialização.

Ambas as residências lançam editais anualmente, onde os profissionais de saúde prestam o concurso público e permanecem no hospital por no mínimo 2 anos.

O Programa de Residência Multiprofissional em Saúde é um curso na modalidade de ensino de Universidades que estabelecem essa pós-graduação do lato sensu.

Seu objetivo é formar profissionais de saúde especialistas com visão humanitária, reflexiva e crítica, qualificado para o exercício na especialidade e área escolhida.

Com base no rigor científico e capacidade intelectual, escrito em princípios éticos, conhecedor dos diversos cenários da rede de saúde, capazes de atuar com competência na área específica como foi desejada na formação.

 

» Carga Horária

A carga horária semanal é de 60h, distribuída entre atividades teóricas e práticas, incluindo plantões em possíveis finais de semanas e/ou feriados quando for necessário para completar a falta de carga horária.

Essa carga horaria sendo teórica ou pratica fora de instituição de ensino fica a critério, podendo ser alterada com base nas matérias dadas ao decorrer da graduação.

Anualmente a carga horária prática é cerca de 2304h e a teórica cerca de 576h.

Totalizando, 4608 de Carga horária prática cerca de 1152h teórica durante o curso.

Distribuição atividade prática por semestre: 2304 h (ch prática por ano)

576 h (ch teoria por ano)

——-

2880 x 2 = 5760

 

Totalizando: 1152 (20%ch) + 4608 (80% ch) = 5760 (CH total do curso).

 

Saiba mais dicas de coaching para ficar totalmente preparado para a residência.

 

» Como funciona?

As residências multiprofissionais na saúde e em área profissional da saúde, que existem desde 1975, tiveram sua regulamentação em 2005, com a Lei nº 11.129.

Sendo assim, de uma cooperação entre os Ministérios da Saúde e da Educação recebida para favorecer a inserção qualificada de profissionais da saúde no SUS e, particularmente, em áreas que forem prioritárias.

No Ministério da Saúde, a Política da Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde possui como objeto maior as necessidades prioritárias da saúde da população e tem como grande objetivo a educação voltada para a transformação da nossa realidade.

 

Usa-se, desta forma, estratégias de Educação Permanente como um eixo transversal e transformador da nossa realidade e a regulação da formação conforme a necessidade do SUS.

Sendo assim neste contexto, encontram-se os Programas da Residência Multiprofissional em Saúde da Família, que devem ser orientados por diferenciadas estratégias pedagógicas capazes de usar e promover cenários de aprendizagem de acordo com as Redes de Atenção à Saúde

Tendo a atenção mínima básica como espaço privilegiado.

 

Adota metodologias e dispositivos da gestão da clínica ampliada, de modo que possa garantir a formação fundamentada na atenção integral, multiprofissional e interdisciplinar.

Os Programas de Residência Multiprofissional em Saúde da Família devem contribuir com a revisão do modelo assistencial, na medida em que formam um novo perfil do profissional de saúde, humanizado e preparado para responder às necessidades reais de saúde dos usuários, família e comunidade.

Contribuem para a construção de novos paradigmas de assistência à saúde, ampliando a resolução da Estratégia Saúde da Família e também dos Núcleos de Apoio à Saúde da Família.

O primeiro período da Residência Multiprofissional Hospitalar em Saúde visou à inserção dos residentes na Atenção Básica no período de três meses, em Unidades Básicas de Saúde do Subúrbio Ferroviário da cidade de Salvador- BA, sendo cinco unidades selecionadas.

 

Assim, ocorreu a divisão em cinco grupos compostos por seis residentes.

A Primeira questão vivenciada pelos residentes, de forma geral, foi a apreensão inicial em atuar em Unidades Básicas de Saúde localizadas em bairros até então desconhecidos pelos residentes, e que possuem índices de violência consideráveis na cidade.

Devido à distância e à violência presentes em alguns destes locais, o acesso do grupo aos mesmos foi uma questão discutida em reuniões.

No entanto, após a inserção, foram utilizadas formas de lidar com a violência como, por exemplo, sair das Unidades sempre com os agentes comunitários de saúde.

Ao final do período na Atenção Básica, foi percebido que algumas Unidades não apresentavam a violência que era imaginada.

 

Uma situação desafiante para todos os cinco grupos que atuaram nas Unidades Básicas de Saúde foi o fato de a maioria destas terem somente profissionais médicos, enfermeiros e técnicos em enfermagem e agentes comunitários de saúde, sendo que outras categorias profissionais, como psicólogo, fisioterapeuta, assistente social, educador físico e terapeuta ocupacional, estavam ali inseridos apenas na equipe do Núcleo de Apoio à Saúde da Família.

 

Gostou deste artigo? Então deixe o seu comentário aqui embaixo e veja outros conteúdos que provavelmente você irá gostar!

Conteúdos relevantes

Deixe um comentário

Dar nossa contribuição para a carreira médica é o melhor jeito de contribuir com a evolução da saúde no país. Junte-se a mais de 35 mil médicos e receba dicas e conteúdo exclusivo.

RECEBA GRÁTIS CONTEÚDOS EM SEU E-MAIL